24 de abril de 2012

Peça Teatral "A ingratidão"

Retomando a peça teatral, a rainha acolhe a mendiga em seu palácio e trata-a como filha. Nos primeiros dias tudo é novidade e encanto, entretanto, noblesse oblige, a vida no palácio é árdua. A princesa tem de respeitar a rainha e obedecer-lhe muitas vezes sacrificando sua vontade.
Em nossas vidas não devemos fazer o mesmo? Nem tudo é como imaginamos e queremos e devemos aceitar a vontade de Deus.
A princesa começa achar a vida na corte enfadonha ; ter de fazer as refeições com a rainha, dar sugestões, cumprir as regras.... Ela está a pensar só em si, se suas roupas estão em ordem, o cinto não é adequado, o sapato que aperta um pouquinho os pés. Esquece-se ela de que era uma mendiga que nem sapatos tinha, andava descalça e seus pés eram feridos e não tinha o que comer. Agora ela exige um luxo que não possuía.
Quantas graças Deus nos dá gratuitamente e exigimos sempre mais. Por exemplo, temos saúde e não agradecemos e quando alguma doença nos atinge, a culpa é de Deus. Não percebemos que através das doenças damo-nos conta de que somos seres contigentes e dependemos dEle. Tudo o que acontece é para o bem do justo conforme afirma São Paulo.

O que acontecerá com a princesa?
No próximo post...

Nenhum comentário: